Discurso do Papa Francisco

Discurso do Papa Francisco
(Roma, 28 de setembro)


Eu gosto desta ideia do Ano da FA�, um encontro para vocA?s, catequistas. Eu tambA�m sou catequista! A catequese A� um dos pilares para a educaA�A?o da fA�, e A� preciso bons catequistas!A�Obrigado por este serviA�o A� Igreja e na Igreja.A�Embora A�s vezes, pode ser difA�cil, vocA?s trabalham demais, vocA?s se envolvem e nem sempre veem os resultados desejados. O processo de educaA�A?o na fA� A� lindo! A� talvez o melhor legado que podemos deixar: a fA�!A�Educar na fA�, A� importante porque vocA? cresce.A�Ajudar as crianA�as, jovens, adultos a conhecer e a amar o Senhor mais e mais. A� preciso “Ser” catequista!A�A� vocaA�A?o. NA?o A� um trabalho que se espera algo em troca: isso nA?o precisa!A�Eu trabalho como catequista, porque eu amo ensinar… Mas se vocA? nA?o A� catequista, nA?o A�!A�VocA? nA?o serA? frutA�fero, nA?o pode ser frutA�fero!A�Catequista A� uma vocaA�A?o: “ser catequista”, esta A� a vocaA�A?o. Lembre-se, eu nA?o disse “fazer” para os catequistas, mas o “ser”, pois envolve a vida.A�VocA? vai ao encontro de Cristo com suas palavras e vida, com o testemunho. Lembre-se queA�Bento XVIA�nos disse:A�“A Igreja nA?o cresce por proselitismo.A�Ela cresce por atraA�A?o”.A�O que atrai A� o testemunho.A�Ser catequista A� dar testemunho de fA�, ser coerente na sua vida.A�E isso, nA?o A� fA?cil. NA?s ajudamos, nA?s nos dirigimos ao encontro de Cristo em palavras e vida, com o testemunho.A�Eu gostaria de lembrar que SA?o Francisco de Assis disse a seus irmA?os: “Pregar o Evangelho sempre e, se necessA?rio, com as palavras.”A�As palavras sA?o palavras, mas antes o testemunho. Que as pessoas possam ver em nossas vidas o Evangelho, possam ler o Evangelho.A�E “ser” pede catequistas que amem. O amor sempre mais forte a Cristo, e o amor ao seu povo santo.A�E este amor nA?o pode ser comprado em lojas, nA?o seA� compra, aqui em Roma.A�Esse amor vem de Cristo!A�A� um presente de Cristo! E se vem de Cristo, comeA�a dele e nA?s devemos recomeA�ar a partir de Cristo, por meio do amor que Ele nos dA?. O que isso significaA�Partir de CristoA�para os catequistas, para vocA?, para mim, que jA? sou um catequista?A�O que isso significa?

Vou falar sobre trA?s coisas: um, dois e trA?s, como fizeram os antigos jesuA�tas… um, dois, trA?s!

  1. A�Primeiro de tudo,A�recomeA�ar a partir de Cristo significaA�ter familiaridade com Ele.Ter essa familiaridade com Jesus: Jesus recomenda aos seus discA�pulos na Asltima Ceia, quando se comeA�a a viver o maior dom do amor, que A� o sacrifA�cio da Cruz.A�Jesus usa a imagem da videira e dos ramos e diz: a�?PermaneA�am no meu amor, fiquem ligados em mim, como um ramo estA? ligado A� videiraa�?.A�Se estivermos unidos a Ele, podemos dar frutos, e esta A� a familiaridade com Cristo.A�Permanecer em Jesus!A�A� permanecer atado a Ele, dentro dele, com Ele, falando com ele: mas permanecer em Jesus.a�?

A primeira coisa que um discA�pulo deve fazer, A� estar com o Mestre, ouvi-lo, aprender com ele e isso A� sempre, A� uma jornada que dura a vida toda.A�Lembro-me muitas vezes que na diocese que eu tinha antes, eu via no final dos cursos muitos catequistasA� que saA�ram dizendo: “Tenho o tA�tulo de catequista”.A�Isso nA?o ajuda, vocA? nA?o tem nada, vocA? fez um pequeno processo!A�Quem vai te ajudar?A�Isto A� verdade para sempre!A�NA?o A� um tA�tulo, A� uma atitude. Para estar com Ele sempre e dura a vida toda!A�A� um ficar na presenA�a do Senhor, que Ele olha e eu pergunto:A�Como A� a presenA�a do Senhor?A�Quando vocA? vai encontrar-se com o Senhor? Olhando para o TabernA?culo,A�o que vocA? faz? Sem palavras… Mas eu digo, eu digo, eu acho, eu medito, sinto-me… muito bem!A�Mas vocA? se deixa olhar pelo Senhor? Vejamos o olhar do Senhor.A�Ele olha para nA?s e esta A� uma maneira de rezar.A�VocA? se deixa olhar pelo Senhor?A�Mas como?A�Olhe para o TabernA?culo, e deixe-se olhar… A� simples!A�A� um pouco “chato, e as vezes A�cai-se no sono…A�Dormindo, dormindo!A�Ele vai olhar para vocA? do mesmo jeito.A�Mas vocA? tem certeza de que Ele estA? vendo vocA?!A�E isso A� muito mais importante do que o tA�tulo de catequista:A�A� parte do Ser catequista.A�Isso aquece o coraA�A?o, mantA�m o fogo da amizade com o Senhor. Ele faz vocA? sentir que realmente o olha, estA? perto de vocA? e o ama.A�

Em uma das visitas que eu fiz, aqui em Roma, em uma missa, aproximou-se um homem, relativamente jovem, e me disse: a�?Papa, prazer em conhecA?-lo, mas eu nA?o acredito em nada!A�Eu nA?o tenho o dom da fA�a�?. O que o senhor me diz?A�Mas ele entendeu que a fA� era um presente.A�A� Respondi:A�”NA?o desanime. Ele ama vocA?.A�Deixe-se olhar por Ele!A�Nada mais.”A�E eu digo isso a vocA?s: olhem para o Senhor!A�Eu entendo que para vocA?s nA?o A� tA?o fA?cil, especialmente para aqueles que sA?o casados a��a��e tA?m filhos. A� difA�cil encontrar um tempo para se acalmar.A�Mas, graA�as a Deus, nA?o A� necessA?rio fazer tudo da mesma forma. HA? variedade de vocaA�A�es na Igreja e variedade de formas espirituais, o importanteA�A� encontrar uma forma adequada paraA�estar com o Senhor,A�e isso acontece em todos os estados de vida.A�Neste momento, todos podem perguntar: Como posso viver este “estar” com Jesus?A�Esta A� uma pergunta que eu deixo para vocA?s: “Como posso viver e estar com Jesus, este permanecer em Jesus?”.A�Tenho momentos em que eu vou ficar na sua presenA�a, em silA?ncio, eu me deixei olhar por Ele?A�Ele A� fogo que aquece o meu coraA�A?o?A�Se em nossos coraA�A�es hA? o calor de Deus, seu amor, sua ternura, como podemos nA?s, pobres pecadores, aquecer os coraA�A�es dos outros?A�Pense sobre isso!

  1. A�O segundo elemento estA? presente.A�Em segundo lugar,A�recomeA�ar de CristoA�significaA�A�imitA?-lo, ir ao encontro do outro.A�Esta A� uma bela experiA?ncia, e um pouco algo de a�?paradoxala�?.A�Por quA??A�Porque aqueles que colocam Cristo no centro de suas vidas, estA?o fora do centro!A�Quanto mais vocA? se junta a Jesus, Ele se torna o centro de sua vida, mas Ele faz vocA? sair de si mesmo, vocA? se descentraliza e se abre para os outros.A�Este A� o verdadeiro dinamismo do amor, este A� o movimento do prA?prio Deus!A�Deus A� o centro, mas A� sempre o dom de si, o relacionamento, a vida que se comunica… TambA�m nos tornamos assim, se permanecermos unidos a Cristo. Ele nos faz entrar nesta dinA?mica de amor.A�Onde hA? vida verdadeira em Cristo, hA? abertura para o outro. NA?o hA? nenhuma saA�da de si para chegar aos outros se nA?o for em nome de Cristo.A�E este A� o trabalho do catequista: sair continuamente de si, vencer o amor-prA?prio, para dar testemunho de Jesus e pregar Jesus. Isto A� importante porque A� o prA?prio Senhor que nos leva a sair de nA?s mesmos.

O coraA�A?o do catequista sempre vive esse movimento de “sA�stole – diA?stole”: a uniA?o com Jesus e o encontro com o outro.A�SA?o duas coisas: eu me a juntar a Jesus e ir ao encontro com os outros.A�Se um destes dois movimentos faltar, nA?o conseguirei mais viver.A�Recebe o dom do kerygma, e por sua vez, oferece em forma de presente. Esta pequena palavra: presente.A�O catequista tem consciA?ncia de que recebeu um dom, o dom da fA� e dA?-la como um presente para os outros.A�E isso A� lindo.A�A� puro dom: o dom recebido A� um presente dado.A�E lA? estA? o catequista, nesta intersecA�A?o de presente.A�O querigma A� um dom que gera missA?o, que sempre empurra para alA�m de si.A�SA?o Paulo disse:A�“O amor de Cristo nos impele”, mas a que “nos impele”? A� assim: o amor atrai e envia, leva-o a dA?-lo aos outros.A�Nesta tensA?o move os coraA�A�es de todos os cristA?os, especialmente o coraA�A?o do catequista.A�Todos nA?s perguntamos: A� assim que meu coraA�A?o bate: uniA?o com Jesus e de encontro com o outro?A�No mesmo movimento de “sA�stole e diA?stole”?A�Alimenta-se em um relacionamento com Ele, mas para leva-lo para os outros e nA?o para mantA?-lo para si? Vou lhes dizer uma coisa: eu nA?o entendo como um catequista pode permanecer estA?tico, sem este movimento, para dentro e para fora.A�Eu nA?o entendo!

  1. A�E o terceiro elemento A� sempre nesta linha:A�recomeA�ar deA�CristoA�significaA�nA?o ter medo de ir com ele nas periferias.A�Aqui lembro-me da histA?ria de Jonas, um personagem muito interessante, especialmente em nossos tempos de mudanA�a e incerteza.A�Jonas era um homem piedoso, com uma vida tranquila, ordeira, e isso o leva a ter seus planos muito claros e julgar tudo e todos com esses esquemas, de forma muito rA�gida.A�Tem tudo claro, a verdade A� essa.A�A� duro!A�EntA?o, quando o Senhor o chama e diz para ele ir e pregar em NA�nive, a grande cidade pagA?, Jonas nA?o se sente de ir lA?!A�Mas pensa: eu tenho toda a verdade aqui!A�NA?o tenho coragem… NA�nive estA? fora de meus planos. Fica nos arredores de seu mundo.A�E, em seguida, foge, ele vai para a Espanha. Ele foge, e embarca em um navio que vai para aqueles lados.A�Leiam o Livro de Jonas!A�A� curto, mas A� uma parA?bola muito informativa, principalmente para nA?s que estamos na Igreja.

O que nos ensina?A�Ela nos ensina a nA?o ter medo de sair de nossos esquemas para seguir a Deus, porque Deus vai sempre mais alA�m.A�Mas vocA? sabe o por quA??A�Deus nA?o tem medo!A�A�Ele nA?o tem medo!A�E estA? sempre alA�m dos nossos esquemas!A�Deus nA?o tem medo das periferias.A�Mas se vocA? vai para as periferias, vocA? vai encontrA?-lo lA?. Deus A� sempre fiel, A� criativo.A�Mas, por favor, nA?o entendo um catequista, que nA?o A� criativo.A�E a criatividade A� como o pilar do ser catequista.A�Deus A� criativo, nA?o A� fechado, nunca A� rA�gido.A�Deus nA?o A� rA�gido!A�Nos acolhe, vem atA� nA?s, nos entende.A�Para ser fiel, ser criativo, vocA? tem que saber como mudar. E por que eu deveria mudar?A�A� para ajustar-me A�s circunstA?ncias em que eu tenho que anunciar o Evangelho.A�Para ficar com Deus devo ser capaz de ir para fora, nA?o ter medo de ir para fora.A�A�Um catequista sem dinamismo acaba sendo uma estA?tua de museu, e temos muitos!A�Temos tantos!Por favor, nA?o queremos estA?tuas de museu!A� Gostaria de saber se alguA�m de vocA?s querem ser estA?tuas de museu?A�AlguA�m tem esse desejo?A�[Catequistas:NA?o!] NA?o?A�VocA? tem certeza?A�Ok. Eu vou dizer agora o que eu jA? disse muitas vezes, mas A� o que diz meu coraA�A?o. Quando os cristA?os estA?o presos no seu grupo, no seu movimento, em sua parA?quia, em seu meio, estA?o fechados e o que acontece conosco, acontece com tudo o que A� fechado, e quando uma sala estA? fechada comeA�a o cheiro de umidade.A�E se uma pessoa estA? trancada naquele quarto, fica doente!A�Quando um cristA?o fica trancado em seu grupo, na sua parA?quia, em seu movimento, e permanece fechado, fica doente.A�Se um cristA?o sai nas ruas, nas periferias, pode acontecer com ele o que acontece com uma pessoa que vai para a estrada: um acidente. Tantas vezes jA? vimos acidentes de trA?nsito.A�Mas eu lhes digo:A�Eu prefiro mil vezes uma Igreja que corre o risco de acidentes do que uma igreja doente!A�A Igreja, um catequista que tem a coragem de assumir o risco de ir para fora, A� melhor do que um catequista que sA? estuda, sabe tudo, mas sempre fechado: este estA? doente.A�E A�s vezes… A� doente da cabeA�a.

Mas atenA�A?o!A�Jesus nA?o diz: vA?o e cuidem-se.A�NA?o, ele nA?o disse isso!A�Jesus afirmou: VA?o, Eu estou com vocA?s! Esta A� a beleza e o que nos dA? forA�a de irmos, de sairmos para anunciar o seu Evangelho com amor, com verdadeiro espA�rito apostA?lico, com franqueza e porque temos a certeza que, Ele caminha conosco, diante de nA?s, – o digo em espanhol-“primerea” (nos precede).A�O Senhor sempre A� “primerea” (nos precede em primeira linha)!A�AtA� agora vocA? jA? entendeu o que significa esta palavra.A�E a BA�blia diz isso, eu digo que sim.A�Eu sou como a flor da amendoeira.A�Por quA??A�Porque A� a primeira flor que floresce na primavera.A�Ele A� sempre o “primeiro”!A�Ele A� o primeiro!A�Isto A� fundamental para nA?s, que Deus sempre nos precede!A�Quando pensamos em ir embora, em uma periferia distante, e talvez tenhamos um pouco de medo, da realidade, Ele jA? estA? lA?: Jesus nos espera no coraA�A?o do irmA?o em sua carne ferida em sua vida oprimida, em sua alma sem fA�.A�Mas vocA? sabe que uma das periferias que me fazia sentir dor, acontecia na diocese que eu estava antes? Ver as crianA�as que nA?o sabiam nem fazer o sinal da cruz.A�Em Buenos Aires hA? muitas crianA�as que nA?o sabem fazer o sinal da cruz.A�Esta A� uma periferia!A�VocA? precisa ir lA?!A�E Jesus estA? lA? esperando por vocA?, para ajudar as crianA�as a aprender a fazer o sinal da cruz.A�Ele sempre nos precede.

Caros catequistas, estes sA?o os trA?s pontos.A�Sempre recomeA�ar a partir de Cristo!A�AgradeA�o-lhes pelo que vocA?s fazem, mas principalmente porque estA?o na Igreja como Povo de Deus a caminho, porque vocA?s caminham com o povo de Deus. PermaneA�amos com Cristo – unidos em Cristo – tentamos ser mais e mais um com Ele; segui-lo, imitA?-lo em seu movimento de amor, caminhando ao encontro do ser humano e nA?s saA�mos, abrimos as portas. Tenhamos a audA?cia de traA�ar novos caminhos para a proclamaA�A?o do Evangelho.

Que o Senhor vos abenA�oe e Nossa Senhora vos acompanhe.A�Obrigado!

Maria A� nossa MA?e,A�

Maria sempre nos conduz a Jesus!

Vamos fazer uma oraA�A?o para o outro, a Nossa Senhora.

Em seguida todos rezamos a Ave Maria cada um em sua lA�ngua e o Papa nos deu a BA?nA�A?o.

A�

A�A�SA?NTESE APRESENTADA DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE CATEQUESE: CATEQUISTA TESTEMUNHA DA FA�

ROMA, 26-29 DE SETEMBRO DE 2013A�

Fala de Dom OctA?vioA�Ruiz ArenasA�secretA?rio do
PontifA�cio Conselho para a PromoA�A?o da Nova EvangelizaA�A?o.

A�

A�A�A�A�A�A�A�A�A� O catecismo da Igreja CatA?lica, fruto do ConcA�lio insiste na IniciaA�A?o A� Vida CristA?, levando em conta o primeiro anA?ncio num processo de verdadeira conversA?o. O importante A� chegar A� mente e ao coraA�A?o do ser humano, utilizando a sensibilidade do primeiro anA?ncio.

A�A�A�A�A�A�A�A�A� Foi expresso nas falas a importA?ncia da unidade entre Sagrada Escritura e o Catecismo da Igreja CatA?lica.

A�A�A�A�A�A�A�A�A� Ajudar os catequistas a apresentar as verdades da fA�, a perceber os conteA?dos da fA� existentes no CIC e na busca constante da vivA?ncia de um discipulado missionA?rio a partir de Jesus Cristo.

Os discA�pulos de EmaA?s, tocados por um misterioso coraA�A?o de um forasteiro leva-os a uma mudanA�a de esquemas projetados. Como mudar nossos velhos esquemas?

A�A�A�A�A�A�A�A�A� A certeza tambA�m que Deus se aproxima de nA?s e a Igreja nos transmite a fA� (traditio-reditio) e temos a consciA?ncia de que vivemos o eu creio e nA?s cremos em unidade de fA� com todos os cristA?os.

A�A�A�A�A�A�A�A�A� Importante A� a convicA�A?o de que a fA� A� sobretudo comunicada atravA�s do testemunho.

1. A Igreja A� o primeiro sujeito da fA� seja para os crentes e nA?o crentes. O lugar do catequista A� para formar seguidores de Jesus.

2. Catequese nA?o A� um trabalho, mas uma missA?o, sempre a partir de Jesus Cristo.

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� A�A�A�Sem medo, ir ao encontro dos outros, porque temos a certeza que Ele vai A� nossa frente.

3. Catequista aprimora o espA�rito de oraA�A?o, de generosidade e apresenta-se ser testemunha de santidade.

4. A catequese estA? a serviA�o da Palavra de Deus. O EspA�rito Santo A� a forA�a na comunicaA�A?o da RevelaA�A?o de Deus.

5. A� preciso renovar as formas de comunicar a fA�. Deve-se manter um equilA�brio com a multiplicidade de formas, que o mundo oferece hoje de comunicaA�A?o.

6. No mundo de hoje, diante de tantos cristA?os que buscam novas formas de encontro com Deus ganha importA?ncia o catecumenato batismal.

7. Hoje vivemos em uma sociedade perpassada pelo relativismo. Temos a necessidade de apresentar Jesus Cristo como a Igreja nos ensina, tendo presente a confianA�a em Deus, com atitudes de ardor, audA?cia, guiados pelo EspA�rito Santo.

8. A� preciso que a Igreja pratique melhor a missA?o de proximidade com qualquer ser humano.

9. Para transmitir a verdade, deixar que Jesus abra nossos olhos.

10. A fA� A� um dom de Deus. A Igreja vive e sustenta este dom. Seu ambiente vital A� a comunidade.

11. Ser a memA?ria de Jesus como princA�pio, como argumento. A memA?ria nos reporta ao exemplo de Maria na visita A� prima Izabel.

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� A�A� O Evangelho escrito A� forA�a de nossa fA�.

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� A�A� NA?o podemos esquecer da relaA�A?o entre Sagrada Escritura, tradiA�A?o e magistA�rio.

12. A TradiA�A?o nos lembra que as Palavras de Jesus, sA?o palavras de vida eterna.

13. Os meios de comunicaA�A?o tentam descaracterizar a verdade. Precisamos de maior formaA�A?o, estudo para conhecer a mensagem passada pelos MCS.

14. Diante de um mundo secularizado apresentar a riqueza da histA?ria.

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� A catequese ao apresentar a mensagem de Jesus precisa conhecer a histA?ria que perpassa a presenA�a de Deus nos feitos, fatos, acontecimentos realizados pelo prA?prio ser humano, construindo assim, a sua cultura.

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� Ao tA�rmino o Presidente do congresso Dom Rino Fisichella falou:

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� SA?o Francisco de Salles para recolher as crianA�as tocava um sino e dizia:

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� a�?Estamos na presenA�a do Senhora�?.

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� Esta frase nos lembra toda a nossa missA?o.

A�A�A�A�A�A�A�A�A�A�A� Lembrando as palavras de Paulo VI quando estava elaborando a Evangelii Nuntiandi: a�?Quando for necessA?rio a Igreja deve instituir novos ministA�riosa�? e afirmou:

a�?A catequese A� um genuA�no MinistA�rio na Igreja. O catequista exerce este ministA�rio em nome da Igreja.a�?A�A�


SA�ntese feita por IrmA? Marlene Bertoldi

deixe um comentário