Pai: olho tuas mãos

Pai: olho tuas mãos


Pai

Pai, olho tuas mãos.
Elas são importantes na construção de teus filhos.
Que elas saibam ser firmes no orientar,
Serenas no amparar.
Que elas não fujam ao dever de ensinar.

Tuas mãos, pai
Devem ser o exemplo do teu trabalho
E que não se abram apenas materialmente,
Mas que, ao abri-las, estejas abrindo
O teu coração e a tua compreensão.

Teus olhos, pai,
Que responsabilidade eles têm.
Que eles vejam as qualidades de teus filhos
Por pequenas que sejam para que as faças crescer.
Mas que não deixem de ver os defeitos e as falhas,
Porque pode ser teu o dever de corrigi-las.

Não te consideres, pai, sem defeitos
Mas que isso não te desobrigues
Da perfeição de ensinares o que sabes certo.
Ainda que tu mesmo tenha dificuldade em segui-lo,
Mais importante do que consegui-lo,
Sem dúvida será lutar por ele.

Pai, o que esperam de ti?
É que pai sejas,
No conceber por amor,
No receber por amor,
No renunciar por amor,
No amor total dos filhos que,
Sem teu amor,
Perderão o significado da própria vida.

Pai, estás presente no sangue
Na herança biológica,
Na cor, no nome, na língua.
Tudo isso, porém, desaparecerá,
Senão te fizeres presente no coração.